Uma prática para fugir da rotina do sexo ou uma forma de fortalecer um relacionamento? Descubra o que está por trás do fenómeno da troca de casais.
Entre voyeurismo e exibicionismo, a troca de casais é uma prática sexual muito comum (há mais de dez milhões de brasileiros que a praticam ou praticaram pelo menos uma vez) que está no meio entre o prazer e transgressão, para escapar do tédio e da rotina sexual do casal através de experiências sexuais fora do casal e consensuais que podem ser feitas ao ar livre, em casa, ou em clubes privados e boates.
Dois casais praticando swingUma prática, aquela do swing, que traria benefícios para os casais enquanto, fazer sexo transgressivo melhora, de acordo com aqueles que o praticam, a qualidade do sexo “tradicional”, aquele feito, para nos entender, em casa entre o casal que tem um relacionamento estável. Além disso, as memórias e as experiências sexuais feitas fora do casal, alimentam a imaginação e o desejo dentro do mesmo.
Os parceiros que decidem de fazer a “troca” proclamam-se emancipados, livres de esquemas tradicionalistas e constrangimentos relacionados com a monogamia. Nada a ver, porém, com a traição, que, neste caso, torna-se “consensual”, porque diferente de seu sentido clássico, o que vê, ao contrário, um dos parceiros tendo relações sexuais com outra pessoa em segredo, sem que o parceiro habitual saiba ou autorize.
Swingers não traem, porque o casal tem relações sexuais com outras pessoas mediante consenso, e sem se esconder do parceiro. Normalmente a troca acontece ao mesmo tempo, na mesma cama ou no mesmo quarto, com os dois parceiros fazendo sexo com o amante ocasional um sob os olhos do outro.
A troca de casais é uma espécie de traição consciente, consensual, especialmente desde que o elemento mais importante é a voluntariedade de ambos, sem ciúme ou ressentimento, o que, de outra forma estragaria o relacionamento.

Porque um casal se torna “swinger

Entre as razões que levam um casal a praticar o swing, a primeira pode ser o desejo de provar a si mesmo, e não apenas o mero desejo de ter relações sexuais com outras pessoas. Muitas vezes, é o homem que tem o desejo de mostrar a sua companheira, sua beleza e sensualidade, para reforçar o conceito: “Olhe para ela, sim, mas é minha. Hoje te deixo foder com ela, mas sou eu que a como todos os dias!”
Por seu lado, a mulher tem prazer em sentir-se lisonjeada e ser objecto de atenção, porque faz com que ela se sinta feminina, sensual e desejada.
A troca de casais, no entanto, deve permanecer um jogo consensual, para não perturbar a vida emocional e sexual e não deve ser viciante por um dos parceiros.
Outra motivação, finalmente, é de poder fazer sexo com outras pessoas sem trair o parceiro e em qualquer caso de pertencer a uma comunidade restrita, dentro da qual você dá e recebe.

Troca de casais: 2 casais na camaQuais casais praticam o Swing?

Muitas vezes são casais “normais”, com filhos e uma vida normal, que procuram novas experiências para apimentar a vida de casal e assim unem a vida social com algo de mais quente. Se encontram com outros casais que tem o mesmo interesse, conversam e tomam uns drinks ou se encontram para uma janta e se a conversa é boa, se os casais gostam um do outro tem atracção, o papo passa para um jogo erótico e quando o clima está quente a conversa continua na cama.
Os lugares onde encontrar casais interessados em fazer uma experiência de troca de casal são basicamente de dois tipos: os Clubes de Swing e as comunidades online, como trocadecasais.net.br, um portal onde você pode se cadastra, publicar seu perfil, conversar online com os outros usuários da comunidade e se encontra alguém que você e sua parceira gostam, organizar um encontro.